× Início Criatividade Economia Criativa Educação Inovação Aberta O Ecossistema Sobre o LabCriativo
× Direito Services Clients Contact

Quer saber o que rolou no CASE, o maior evento de Startups da América Latina? Vem que o LabCriativo te conta

Saiba tudo o que rolou no maior evento de Startups na América Latina, o CASE. Uma semana inteira de conteúdos para você!

Tempo de leitura estimado: 8 min

Estreio como colunista do LabCriativo. E chego com uma missão e tanto. Compartilhar com vocês a minha experiência no CASE. A Conferência Anual de Startups e Empreendedorismo é o maior evento para Startups da América Latina e é realizado pela Associação Brasileira de Startups (ABStartups). Comemorando 5 anos de vida, o CASE recebeu também outros 2 eventos. O Connect Samba, organizado pela Samba Tech, eleita uma das empresas mais inovadoras do mundo e líder no mercado de vídeos online na América Latina e o 2º Forum de Inovação Startup Indústria, organizado pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI).

O evento é gigante. E obviamente em um único texto não vou conseguir compartilhar com você tudo o que eu vi, vivi e aprendi por lá. Portanto, durante essa semana, um texto por dia. Preparem-se. Tem muito conteúdo foda vindo por aí. Espero que curtam!

Antes de falar da abertura do evento, gostaria de falar um pouco da experiência que antecedeu o evento. Curti bastante os e-mails que recebi da organização do evento que preparou algumas surpresas para os participantes, como o Clube CASE, com benefícios exclusivos oferecidos pelos patrocinadores do evento. O manual do participante, também enviado por email, me agradou bastante. Me senti sendo cuidado pela organização que compartilhou informações importantes para que a minha experiência fosse a melhor possível. E para fechar o parágrafo, o app do evento também me surpreendeu. Legal ver a comunidade se engajando, fazendo networking e compartilhando os momentos marcantes do evento. Você começa a sentir a vibe do evento antes mesmo dele acontecer.

Eram quinze para às dez horas da manhã quando cheguei no Pro Magno Centro de Eventos, local do CASE. Me chamou a atenção o tamanho do credenciamento. E a quantidade de gente também. Estima-se que circularam cinco mil pessoas por lá. O guarda volumes foi uma mão na roda para quem chegava de viagem direto para o evento. O credenciamento foi super rápido e logo me dirigi para o palco principal do evento. A abertura, marcada para às 10:00 horas começou com atraso. O encarregado de anunciar o início do evento foi Amure Pinho, presidente da ABStartups. Estiveram presentes também o Gustavo Caetano, CEO da Samba Tech, o Presidente da ABID, Guto Ferreira e o prefeito de São Paulo Bruno Covas, que me fez tirar a caneta e o meu caderno de anotações para escrever a primeira nota do CASE. O governo é analógico e a população é digital. Segundo o prefeito essa é uma das dores que o poder público precisa resolver e que os empreendedores e Startups encontrarão as portas abertas para quem topar o desafio.

Abertura feita, era hora de assistir a minha primeira palestra. Robert Lamb, Customer Evangelism da Salesforce. Chique, né? Sim, muito chique. A palestra do cara foi foda. A Salesforce ajuda os seus clientes a descobrirem novos caminhos para o sucesso utilizando a solução líder mundial de plataformas de CRM. Os caras são a quarta maior empresa de software do mundo, figuram entre as empresas mais inovadoras (Forbes), é uma das companhias mais admiradas do mundo (Fortune), e segundo a Great Place to Work e Indeed, é a melhor empresa para se trabalhar no mundo. O segredo do sucesso? Defender com unha e dentes a essência da empresa. A sua cultura, o seus valores. E é essa a missão do Robert. Os pilares que sustentam a missão? Cultura, Experiência, Clientes e Propósito.

Cultura. O tempero secreto da Salesforce. Muito mais do que um quadro na parede. Já viu como tem um monte de empresa com um quadro de missão e visão pendurado na parede? Todas as empresas que eu trabalhei eram lotadas deles. A grande questão é se eles são vivenciados no ambiente de trabalho. Qual o sentimento, o humor dos colaboradores ao irem para mais um dia de trabalho? Eles confiam ou desconfiam dos valores da empresa. Na Salesforce não pode haver espaço para a dúvida. Valores vivenciados criam valor, confiança e inovação. Não existe o “a gente chegou lá”. Bom o suficiente não é bom o suficiente. O espírito é de melhoria contínua. O Status Quo é um inimigo! E o exemplo é dado de cima para baixo. Começa no CEO. A empresa reconhece a importância de dar voz aos seus colaboradores e possui um quadro diverso e equânime. Durma com esse dado: 60 milhões de dólares investidos para equalizar os salários de homens e mulheres. É cultura que fala né?

Experiência. Não adianta o seu produto ser bom. Isso não lhe garante nada. É essencial criar experiência para o seu cliente. Clientes pagam mais para ter uma experiência melhor. 2 exemplos que o Robert compartilhou. A Heinze e as suas embalagens de Ketchup. O produto sempre foi o mesmo, porém as embalagens não. A primeira embalagem é completamente diferente da embalagem atual. As embalagens de hoje proporcionam aos clientes uma experiência melhor. Passar ketchup no pão está cada vez mais seguro. Concorda? Uber x Taxi. Qual é a melhor experiência. No UBER você consegue saber quem é o seu motorista, qual a nota dele, o carro e a cor, qual o valor da sua viagem, qual o trajeto que será realizado e o horário que você irá chegar. Sim, os apps de taxis hoje já conseguem proporcionar uma experiência melhor. Mas realmente a UBER trouxe uma experiência bem mais legal e que conquistou milhares de usuários mundo afora. Como você está pensando na experiência que o seu produto proporciona?

Clientes. Eu trabalho para os clientes, disse o Robert. Os clientes estão no centro. Toda a experiência é pensada para que eles consumam o produto da melhor maneira possível. A relação não é transacional. É relacional. Isso faz toda diferença e gera lucro. Escutar, engajar e responder o cliente.São os clientes que determinam o roadmap da Salesforce. Eles tem inclusive um programa para dar voz às ideias dos clientes. Você é cliente e quer dar uma ideia para o produto? Ela é muito bem vinda. Cada cliente é comemorado. Cada cliente é muito valioso para a empresa. Sabe qual a moeda da Salesforce? As histórias dos seus clientes. Porque o maior evangelista que uma empresa pode ter é o seu próprio cliente. Lá, literalmente o cliente é rei. Sem necessariamente precisar ter sempre a razão. Como você tem se relacionado com o seu cliente?

Propósito. O Robert começou o tópico falando do posicionamento da Salesforce em relação aos moradores de rua de San Francisco, cidade onde a Salesforce está sediada e emprega quase 8 mil pessoas. E aqui, preciso agradecer ao THE BRIEF (https://www.thebrief.com.br/), que me alimenta diariamente com conteúdo foda do mundo da tecnologia. A newsletter do dia 22 de Outubro conta um pouco da treta. Muito resumidamente, Marc Benioff, CEO da Salesforce, postou em seu perfil no twitter: “pessoas desabrigadas são responsabilidade de todos nós”. Contextualizando a fala. Um projeto de lei, batizado de Prop C. propõe o aumento de 0,5% das tarifas de negócios locais com arrecadação superior a USD 50 milhões. A grana arrecadada será utilizada para criar um fundo para serviços direcionados aos moradores de rua - desde construção de abrigos até tratamentos psicológicos. O fundador da Salesforce se comprometeu a doar USD 2 milhões para ajudar a aprovar a legislação. A treta? Outras companhias e fundos de venture capital estão fazendo lobby e doações para impedir que a medida seja aprovada. Entendem que essa os moradores de rua são uma responsabilidade da Prefeitura.

O posicionamento da Salesforce diz muito sobre o propósito da empresa. A empresa enxerga os negócios como uma plataforma de mudança. Não é só dinheiro. É impacto. É sobre como a empresa pode contribuir para que o mundo seja um lugar mais legal para todos viverem. Como a empresa pode contribuir para que todos possam ter acesso a saúde e educação. Como a empresa pode contribuir com as questões ambientais e climáticas do mundo. E eles fazem isso cuidando dos seus stakeholders. Robert apresentou alguns projetos desenvolvidos na Salesforce que reforçam esse cuidado. E finalizou falando da OHANA. Não estou falando da Claudia, a atriz. Na cultura havaiana, "Ohana" significa família, o laço que une as pessoas. A Ohana da Salesforce é sustentada com valores essenciais que os inspiram a trabalhar juntos todos os dias para melhorar o mundo. Você tem dúvidas que eles estão conseguindo? Eu não.

Amanhã compartilho com vocês o que eu aprendi com o Marcos Mion. Tem uma história dele com o Inri Cristo que é impagável. Você acredita em milagres?

Dé Boaventura.

Postado em 4 de Dezembro de 2018 às 00:00

Dé Boaventura
Labcriativo / Educador



Em alta
Últimas postagens

Veja também

Disney comemora os 90 anos de Mickey Mouse na CCXP 2018

Camundongo mais famoso do mundo ganha bolo de aniversário em painel Para celebrar os 90 anos da primeira aparição de Mickey Mouse, a Disney realizou um painel especial dedicado ao camundongo mais amado do mundo.O mexicano Alonso Ramirez Ramos, diretor e ...

Lucas Foster
Labcriativo / Editor

CCXP: Conheça alguns dos mais épicos cosplayers do evento

Visitantes fantasiados são figurinha carimbada da feira Os cosplayers são uma atração à parte da CCXP. Todos os anos, famosos ou anônimos, veteranos ou novatos, os cosplayers vestem seus personagens e fazem a alegria do público por todos os cantos do evento ...

Lucas Foster
Labcriativo / Editor

CCXP: Cosplayers cada vez mais criativos disputam a premiação mais concorrida do país

Advogado vestido de 'The Legend of Zelda' levou o primeiro lugar e um carro 0Km para casa O mineiro Julio César dos Santos foi o vencedor do concurso de cosplayers realizado neste domingo, 9, pela Comic Con Experience 2018. Com orelhas pontudas ...

Lucas Foster
Labcriativo / Editor

Quinta edição da CCXP fica em São Paulo até domingo

Evento deve reunir 260 mil pessoas Começou nesta quinta-feira, 6 de dezembro, o maior evento de cultura pop do país, a Comic Com Experience (CCXP 2018), em São Paulo.Com estandes das maiores produtoras do mundo e intensa programação, a quinta edição ...

Lucas Foster
Labcriativo / Editor

Como seriam os apps de hoje nos anos 80?

Designer redesenha gadgets com o visual dos aplicativos que usamos hoje Hoje, podemos nos comunicar, ouvir música, jogar, assistir séries... Tudo em nossos smartphones. No entanto, há poucos anos, antes da era World Wide Web, era preciso usar um dispositivo para cada ...

Lucas Foster
Labcriativo / Editor