×
×

Primeiro coração impresso em 3D do mundo pode revolucionar os transplantes de órgãos

Feito com biomaterial dos pacientes, o coração pode diminuir a taxa de rejeição

Tempo de leitura estimado: 3 min

Pesquisadores da Universidade de Tel Aviv revelaram um avanço impressionante ao publicarem um estudo demonstrando como conseguiram imprimir em 3D o primeiro coração vascularizado do mundo. Usando as próprias células e materiais biológicos de um paciente, o coração impresso em 3D é uma incrível história de sucesso que pode mudar a maneira como pensamos sobre a medicina regenerativa.

Até agora, os cientistas só conseguiram imprimir amostras de tecido simples. Mas com a impressão bem-sucedida de um coração funcional repleto de vasos sanguíneos, câmaras e células, o campo deu um grande passo à frente. O estudo também dá esperança aos milhares de homens e mulheres que esperam por transplantes de coração.

“Este coração é feito de células humanas e materiais biológicos específicos do paciente. Em nosso processo, esses materiais servem como bioinks, substâncias feitas de açúcares e proteínas que podem ser usadas para impressão 3D de modelos de tecidos complexos”, diz o professor Tal Dvir, da Escola de Biologia Molecular e Biotecnologia da Universidade de Tel Aviv e do Sagol Center for Regenerative Biotechnology, que liderou a pesquisa para o estudo. “As pessoas conseguiram imprimir em 3D a estrutura de um coração no passado, mas não com células ou vasos sanguíneos. Nossos resultados demonstram o potencial de nossa abordagem para a engenharia de reposição personalizada de tecidos e órgãos no futuro”.

O primeiro órgão impresso em 3D tem quase o tamanho do coração de um coelho, mas o plano é aumentar de tamanho. Para realizar a impressão, primeiro foi realizada uma biópsia no tecido adiposo dos pacientes. Os materiais celulares e celulares foram então separados, com as células reprogramadas para se tornarem células-tronco pluripotentes. Outros materiais como o colágeno foram usados ​​como “tinta” durante a impressão.

3d-printed-heart-1.jpg

Ao usar biomateriais de pacientes, os pesquisadores eliminam o risco de rejeição do implante – uma realidade para a maioria dos pacientes que recebem transplantes de órgãos, com aproximadamente 50% das doações de órgãos sendo rejeitadas pelo corpo dentro de 10 a 12 anos. Este avanço é um grande passo para reduzir essa porcentagem.

“Idealmente, o biomaterial deve possuir as mesmas propriedades bioquímicas, mecânicas e topográficas dos próprios tecidos do paciente”, explica o Prof. Dvir. "Aqui, podemos relatar uma abordagem simples para tecidos cardíacos grossos, vascularizados e perfuráveis ​​impressos em 3D que combinam completamente com as propriedades imunológicas, celulares, bioquímicas e anatômicas do paciente".

O próximo passo é cultivar os corações impressos em 3D, ensinando-os a se comportar e depois transplantá-los em modelos animais. O Prof. Dvir observa que, no momento, as células podem se contrair, mas elas precisam aprender a bombear para que possam trabalhar juntas. Embora haja muito trabalho pela frente, ele está otimista em relação à tecnologia. "Talvez, daqui a dez anos, haja impressoras de órgãos nos melhores hospitais do mundo, e esses procedimentos serão conduzidos rotineiramente."

Postado em 8 de Maio de 2019 às 13:00

Top Posts
LabCriativo / Editor



Em alta
Últimas postagens

Veja também

Terminal desativado em aeroporto ganha nova vida e vira hotel de luxo retrô

O Aeroporto Internacional de Nova York, John F. Kennedy, inaugurou no dia 15 de maio de 2019, seu primeiro hotel interno …

Top Posts
LabCriativo / Editor

Lucas Foster faz palestra no Rock in Rio Innovation Week 2019

Com foco no desenvolvimento humano, segunda edição do evento ocorre de 2 a 5 de julho, em Lisboa. Por acreditar que …

Top Posts
LabCriativo / Editor

Mãe criativa transforma os aparelhos auditivos de crianças em super-heróis

Com um filho de 4 anos diagnosticado com surdez profunda e perda auditiva apenas alguns meses após seu nascimento, Sarah Ivermee …

Top Posts
LabCriativo / Editor