×
logo labcriativo
×

As habilidade necessárias para fazer parte da Indústria 4.0

Saiba como se preparar para interagir com robôs e inteligências artificiais e crescer com isso

Tempo de leitura estimado: 5 min

A Indústria 4.0 nos mostra que é um grande erro pensar que a tecnologia já evoluiu ao nível máximo na indústria. O termo é utilizado para caracterizar a utilização do que há de mais moderno para produzir bens de consumo: big data, internet das coisas, inteligência artificial e muito mais.

Com o avanço da automação surgem novas vagas em áreas de engenharia, análise de dados, programação. Se você enxerga a Indústria 4.0 como uma oportunidade de trabalho, saiba que as possibilidades de formação são diversas, e vão desde graduação a cursos online gratuitos. 

Quais são as profissões da Indústria 4.0?

Mercado Financeiro : Atualmente 30% dos alunos formados em engenharia pela universidade de São Paulo (USP) São contratados pelo mercado financeiro.

Indústria / Robotista : A Demanda para robotistas está crescendo cada vez mais precisamos de pessoas que trabalhem com a parte intelectual, conhecimento, interação e programação dos dispositivos automáticos

Cientista de Dados : No Brasil existem hoje cerca de 300 mil vagas para cientistas de dados, mas pouquíssimos profissionais capacitados. Há um apagão de mão de obra.

O profissional 4.0 precisa ser engenheiro? 

Nem sempre. Dentro da academia, a formação em engenharia continua a ser a principal referência para a Indústria 4.0, com destaque para o curso de Automação e Controle, que é considerado multidisciplinar. Outras áreas da engenharia também podem oferecer base para as fábricas automatizadas, como as de Produção, Mecânica, Química, Elétrica, Eletrônica e Telecomunicações. 

Para o professor do Departamento de Engenharia de Telecomunicações e Controle da Universidade de São Paulo (USP), Fuad Kassab Junior, há várias  perspectivas de oportunidade de trabalho, não só na I4.0. Isso porque durante a graduação, que leva cerca de cinco anos, o próprio mercado pode mudar.

“O ensino de engenharia é multidisciplinar. O aluno que escolhe essa carreira sai treinado para analisar dados, criar soluções e fazer as coisas andarem. Com isso, consegue transitar em várias áreas, como  mercado financeiro, automação e administração”, diz o professor.

Por sua vez, o pesquisador Patrick Morelo, 33 anos, faz doutorado em física pela Universidade Federal de Santa Catarina e usa ferramentas de machine learning no desenvolvimento de sua tese na área de neurociências do sistema visual. Para programar o robô que usa os dados matemáticos de sua pesquisa, ele aprendeu de forma autônoma a trabalhar com Julia, linguagem de programação para alto desempenho no tratamento de números e dados científicos. Por isso, Morelo destaca a importância dos cursos livres para a formação de profissionais dessas áreas.

“Os cursos de graduação de exatas são bons porque ensinam a visualizar equações e funções. Quem estudou cálculo e geometria analítica vai ter compreensão para desenvolver machine learning”. Ele considera, no entanto, que não existem disciplinas específicas que explicam esses conceitos.

Onde estudar para a I4.0?

Manter o currículo atualizado diante dos avanços da automação tem sido uma preocupação não só dos estudantes mas também da academia. A professora Lilian Kawakami, coordenadora do Curso de Controle e Automação da Coppe/UFRJ e da Escola Politécnica da mesma universidade conta que o curso, mesmo tendo cerca de 20 anos, está passando pela terceira reforma curricular. “Nosso objetivo é preparar os nossos alunos para as demandas do mercado. Estamos incluindo aulas de rede e data mining, por exemplo, para acompanhar as tendências da Revolução 4.0”, explica a especialista.

Universidades nacionais

Dos cinco melhores cursos de engenharia do Brasil, quatro são graduações do Instituto Militar de Engenharia (IME) e Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). O ranking, desenvolvido a partir de dados do Ministério da Educação (MEC), mostra que as instituições militares se destacam no ensino de automação no País. Além desses institutos, há universidades federais com cursos reconhecidos na área de Engenharia:

  • USP: Engenharias de Automação e Controle, Mecatrônica, Produção, Computação, Telecomunicação
  • UFRJ: Engenharias Eletrônica e de Computação, Elétrica, Controle e Automação, Química, Computação e Informação, Produção e Pós-Graduação na Coppe
  • UNB: Engenharias de Redes de Comunicação, Computação, Produção, Elétrica, Mecatrônica, Mecânica, Software, Eletrônica
  • UFSC: Engenharias de Computação, Controle e Automação, Elétrica, Eletrônica, Mecânica, Química, Produção Mecânica e Mecatrônica
  • UFMG: Engenharias Elétrica, Mecânica, Produção, Sistemas e Controle e Automação
  • UFPB: Engenharias de Produção, Mecânica e Química
  • UFRGS: Engenharias Mecânica, Controle e Automação, Elétrica, Química, Produção e Computação

Universidades internacionais

Os núcleos de pesquisa mais avançados em Indústria 4.0 estão nos Estados Unidos, na Europa e na China. Em rankings de melhores universidades, como o Times Higher Education, o Shanghai Ranking e o Center for World University Rankings (CWUR), destacam-se as universidades de Stanford e Massachusetts nos EUA, Oxford no Reino Unido, Swiss Federal Institute of Technology Zurich na Suíça e a Tsinghua University na China.

Cursos livres 

Há muitos cursos online direcionados para o interesse do programador. Uma das plataformas mais completas é a Edx, fruto de  parceria de Harvard e do Massachusetts Institute of Technology (MIT), que oferece formação em Data Science, programação em Phyton, Internet da Coisas (IoT) e blockchain. As aulas são gratuitas, mas o site cobra a partir de U$ 99 pela emissão de certificados (dependendo do nível e da duração do curso). 

Em conjunto com a Edx e a Microsoft, o Senai tem cinco cursos online gratuitos de introdução em inteligência artificial

O Udemy é outro site com cursos de data science e machine learning onde  profissionais desta área costumam se especializar. As aulas básicas, oferecidas por professores independentes, custam a partir de R$ 25,99. 

Voltado exclusivamente para desenvolvimento e programação, o Data Camp tem cursos para programação em R, Python e SQL em todos os níveis. Não é preciso pagar pelas aulas introdutórias, mas para completar os cursos é preciso pagar  mensalidade, a partir de US$ 25.

O Senai oferece cursos livres de curta duração, além do ensino de nível técnico e tecnólogo. O Senai-SP possui os chamados cursos rápidos voltados aos fundamentos de robótica, internet das coisas, prototipagem em impressora 3D com duração entre 40 horas e 80 horas. Para uma formação de maior duração, a instituição oferece também os cursos de Robótica Industrial (160 horas) e Técnico em Mecatrônica (dois anos).

Postado em Jan. 28, 2021, 7:55 p.m.

Digital Disruption
Canal

Conheça e se inspire com soluções e inovações que simplificam a maneira como as pessoas se comunicam, produzem, ensinam e transmitem conhecimento.



Canais
  • Lucas Foster |
    Partner, LabCriativo

    Especialista em criatividade e empresário da economia criativa

  • Digital Disruption
    Canal

    Conheça e se inspire com soluções e inovações que simplificam a maneira como as pessoas se comunicam, produzem, ensinam e …

  • New World, New Skills
    Canal

    Apresentamos novas referências de como produzir melhor usando novas tecnologias e como trabalhar de forma mais consciente, levando em consideração …

  • Corp Meets Planet
    Canal

    Inspirar, trazer referências e instruir líderes e tomadores de decisões ampliando seu repertório com casos, ideias e notícias que comprovam …

  • LabCriativo
    | Destaques

    Redação do LabCriativo

Últimas postagens

Veja também

Nasce o motor elétrico independente de terras-raras

Inovação alemã torna produção global menos dependente da China, responsável por 90% da produção dos metais de terras-raras. A Mahle anunciou …

Facebook está investindo US$1 bilhão em criadores

O dono das maiores redes sociais do mundo está implementando programas de bônus para criadores de conteúdo. Até o fim de …

Trouxemos 8 dicas para você fazer mais e melhor

Os princípios mais importantes que você pode seguir para o crescimento do corpo e da mente. Inspirado por Ray Dalio e …