× Início Criatividade Economia Criativa Educação Inovação Aberta O Ecossistema Sobre o LabCriativo
× Direito Services Clients Contact

Cadeira feita de resíduos do oceano sugere a mobília do futuro

Não é apenas plástico reciclado – é economia circular, e é linda!

Tempo de leitura estimado: 3 min

Estonteante é a cadeira verde esmeralda, com luxuosos redemoinhos de mármore! Você poderia esperar que esta cadeira custa apenas US $ 100? E foi feito de redes oceânicas recicladas?

Esta é a cadeira S-1500, desenvolvida pela empresa de arquitetura e design Snøhetta para a fabricante de móveis Nordic Comfort Products (NCP). A produção começou há dois anos, antes de o mundo se assustar com os canudos de plástico, quando a Snøhetta abriu um pequeno laboratório na Noruega para experimentar plástico reciclado como material de construção.

O laboratório não era muito mais que um triturador de plástico e uma máquina de moldagem por injeção, mas o arquiteto Stian Ekkernes Rossi quis reconsiderar o plástico descartado como algo mais precioso.

Então a NCP soube dessa produção, se juntou à Snøhetta e decidiu aprender junto sobre os compostos amplamente diferentes que constituem o plástico. E os parceiros acabaram descobrindo a economia circular da região. A apenas alguns quilômetros da fábrica, a indústria local de salmão frequentemente usava componentes de plástico para suas redes de pesca, e precisaria pagar um serviço para coletar e descartar esses componentes.

Como se costuma dizer, o lixo de alguns é o tesouro de outros. Em vez de importar plástico da China, que era o que a empresa fazia anteriormente, a NCP descobriu que poderia colher plástico viável de empresas dentro de um raio de apenas 20 quilômetros.

“Um de nossos objetivos era fazer um projeto para inspirar e mostrar à indústria que é realmente possível fazer negócios com o que é considerado lixo”, diz Rossi. “Através do design e da arquitetura, o plástico se torna um recurso”.

As redes não são apenas plástico moído para criar novas cadeiras dentro de máquinas de moldagem por injeção; elas têm tons de verde, amarelo e azul escuro que combinam lindamente. “Não usamos corantes”, diz Rossi. “Eu me recuso a adicionar qualquer cor. Devemos usar o que tivermos da rede de pesca”.

O padrão de mármore foi desenvolvido dentro do laboratório da Snøhetta, usando uma sequência específica para alimentar os pellets de plástico no molde. O padrão nunca é exatamente o mesmo, o que significa que a cadeira é um produto produzido em massa, mas sob medida. Quanto ao design, a Snøhetta quis deixar o mais simples possível. Seu assento repousa sobre uma base de metal, com pernas de aço reciclado, que parecem se misturar à estrutura de plástico.

A Snøhetta não é a única empresa que procura transformar plástico oceânico em produtos. Empresas de móveis como a Yardbird e a Vepa oferecem itens selecionados feitos de plástico oceânico. A Ikea anunciou planos de construir plástico oceânico em seu pipeline de recursos. E a Adidas foi pioneira neste espaço, transformando os resíduos oceânicos em calçados de desempenho com sua linha Parley de equipamentos de tênis.

Mas lidar com nossa pilha global de plástico é um problema maior do que qualquer setor ou empresa pode lidar sozinho. “Quando você usa plástico para certas coisas que devem durar, é um material maravilhoso”, diz Rossi. “Quando você faz mau uso em produtos com uma vida útil curta, é um mal-entendido quanto à capacidade do material”.

cadeira2.jpg

Postado em 6 de Fevereiro de 2019 às 15:00

Top Posts
LabCriativo / Editor



Em alta
Últimas postagens

Veja também

Dia Mundial da Criatividade bate novo recorde em 2019

Em sua quarta edição, iniciativa criada no Brasil será realizada em países como Portugal, Sérvia e Alemanha Entramos na contagem regressiva para celebrar o World Creativity Day. A data foi institucionalizada em Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas em 2017, na ...

Top Posts
LabCriativo / Editor

YouTube, a marca mais valiosa do mundo em 2020?

Segundo pesquisa divulgada este ano, pela primeira vez ele está na primeira posição de preferência entre os jovens, deixando para trás as também importantes marcas: Apple e Netflix Quem já não se pegou assistindo a algum conteúdo no YouTube? Quem já não ...

Lucas Foster
LabCriativo / Editor