×
logo labcriativo
×

As empresas precisam pensar mais do que treinamento em diversidade

Horas ou dias de treinamento não vão modificar décadas de estereótipos criados. Para haver uma mudança organizacional é preciso expandir a visão e ir além do padrão.

Tempo de leitura estimado: 3 min

O treinamento em diversidade tem suportado muito o fardo de lidar com a desigualdade no trabalho. Tornou-se a solução ideal para todas as desigualdades. A Starbucks é atingida por publicidade negativa e pede um treinamento de diversidade para toda a empresa. A Sephora enfrenta revelações públicas desconfortáveis, idem. Ford perde um processo de assédio sexual e racial e concorda em fazer mais treinamento de diversidade. BMW perde um terno de discriminação de corrida e institui mais treinamento.

Analisamos dados de centenas de empregadores, ao longo de dezenas de anos, para avaliar como funcionam as diferentes medidas de equidade. E o que descobrimos é que o programa de treinamento de diversidade típico não apenas falha em promover a diversidade, ele na verdade leva a declínios na diversidade de gestão. Outras medidas gerenciais simples provaram ser mais eficazes para abrir oportunidades para a diversidade.

O treinamento assumiu diferentes formas ao longo do tempo, mas todas foram decepcionantes. A pesquisa é clara e consistente. Você não pode afetar significativamente o preconceito no treinamento que dura uma hora, um dia ou uma semana. Os preconceitos estão enraizados em estereótipos, e os estereótipos são arraigados ao longo de uma vida inteira de ouvir rádio, assistir TV e navegar pelas mídias sociais. Centenas de estudos demonstraram isso. Os melhores treinamentos anti-preconceito reduzem ligeiramente o preconceito medido. Mas o efeito não dura. Nem se traduz em mudança organizacional.

Alguns estudos descobriram que o treinamento anti-preconceito pode realmente ativar o preconceito. Dizer às pessoas para pararem de pensar em estereótipos é como dizer para elas pararem de pensar em elefantes. Pior, o treinamento pode provocar reações adversas. Nossa pesquisa mostra que o programa típico de treinamento em diversidade não leva a aumentos na diversidade da força de trabalho - nem em um mês, nem em uma década. Se os empregadores querem abrir oportunidades para pessoas negras, o treinamento anti-preconceito não o fará. Eles precisam fazer mudanças sistêmicas práticas - que são menos onerosas do que você imagina.

O racismo sistêmico muitas vezes se esconde por trás de rotinas de gestão neutras e aparentemente daltônicas. Abordar o racismo sistêmico significa recrutar em faculdades historicamente negras, não apenas em faculdades de maioria branca. Significa criar programas formais para garantir que cada funcionário receba um mentor, em vez de apoiar relacionamentos de mentoria “naturais”, que normalmente deixam as pessoas negras de fora. Significa convidar todos os funcionários a se inscreverem em treinamento de habilidades e gerenciamento, em vez de deixar que os chefes escolham seus trabalhadores favoritos. Significa envolver os gerentes de linha em examinar profundamente o problema de equidade, fazer um brainstorming de soluções e colocá-las em ação, em vez de deixar o problema para consultores externos que não têm autoridade para mudar as coisas.

Nossa pesquisa sugere que um pequeno número de mudanças sistêmicas - recrutamento direcionado, programas de mentoria, habilidades abertas e treinamento de gestão e forças-tarefa de diversidade - podem levar a aumentos significativos e persistentes na diversidade e oportunidade da força de trabalho. Isso é verdadeiro para cargos de linha de frente e gerenciais. Como forma de promover a equidade, ainda vale a pena lutar pela formação em diversidade - mas, como nossa pesquisa deixa claro, apenas quando associada a essas mudanças sistêmicas. É hora de colocá-los em prática em todos os locais de trabalho.

Este artigo foi traduzido pela equipe do LabCriativo. Para ler o artigo original escrito por Alexandra Kalev e Frank Dobbin, acesse https://hbr.org/2020/10/companies-need-to-think-bigger-than-diversity-training?registration=success

Postado em Nov. 4, 2020, 11:04 a.m.

Corp Meets Planet
Canal

Inspirar, trazer referências e instruir líderes e tomadores de decisões ampliando seu repertório com casos, ideias e notícias que comprovam a mudança de mentalidade e de cultura em relação à sustentabilidade de modo amplo.



Canais
  • Lucas Foster |
    Partner, LabCriativo

    Especialista em criatividade e empresário da economia criativa

  • Digital Disruption
    Canal

    Conheça e se inspire com soluções e inovações que simplificam a maneira como as pessoas se comunicam, produzem, ensinam e …

  • New World, New Skills
    Canal

    Apresentamos novas referências de como produzir melhor usando novas tecnologias e como trabalhar de forma mais consciente, levando em consideração …

  • Corp Meets Planet
    Canal

    Inspirar, trazer referências e instruir líderes e tomadores de decisões ampliando seu repertório com casos, ideias e notícias que comprovam …

  • LabCriativo
    | Destaques

    Redação do LabCriativo

Últimas postagens

Veja também

Nasce o motor elétrico independente de terras-raras

Inovação alemã torna produção global menos dependente da China, responsável por 90% da produção dos metais de terras-raras. A Mahle anunciou …

Facebook está investindo US$1 bilhão em criadores

O dono das maiores redes sociais do mundo está implementando programas de bônus para criadores de conteúdo. Até o fim de …

Trouxemos 8 dicas para você fazer mais e melhor

Os princípios mais importantes que você pode seguir para o crescimento do corpo e da mente. Inspirado por Ray Dalio e …