Cientista fotografa grãos com equipamentos especiais e amplia as imagens em mais de 250 vezes. ”Cada grão de areia é único”, afirma Gary Greenberg, diretor do Laboratório de Microscopia e Microanálise do Instituto de Astronomia na Universidade do Havaí (EUA).Greenberg, que fotografa grãos de areia há dez anos, é originalmente fotógrafo e cineasta, mas mudou-se de Los Angeles para Londres nos anos 1970 com o objetivo de tornar-se doutor em pesquisa biomédica pela University College, na capital britânica.

Grãos de areia revelam mundo de cores e formas (Foto: Gary Greenberg)

Grãos de areia revelam mundo de cores e formas (Foto: Gary Greenberg)

O especialista diz que os grãos trazem consigo histórias sobre a geologia, a biologia e a ecologia da região de onde se originam.

Para captar as imagens, ele utiliza microscópios especiais tridimensionais. Greenberg afirma que fotografar os grãos é uma tarefa complicada, já que os microscópios que ele utiliza têm pouca profundidade de campo, dificultando a obtenção do foco.

”Eu supero essa limitação fotografando uma série de imagens tomadas com focos distintos’, afirma o professor.

‘Para produzir uma imagem totalmente em foco, um programa de computador analisa cada imagem captada na série, seleciona as que estão bem focadas e descarta as outras.’.

Grãos de areia revelam mundo de cores e formas (Foto: Gary Greenberg)

Grãos de areia revelam mundo de cores e formas (Foto: Gary Greenberg)

Mantenha-se criativo! Lhe sugerimos estes:

 

Receba nossas atualizações no seu e-mail: